CAVIS-Central Advanced Visa & Immigration System

“A BMIL tem a firme convicção de que uma técnica que é necessária para a protecção das fronteiras de um determinado Estado, pode ser supérflua ou de menor importância para um outro Estado. Contudo, o CAVIS responde a todas as necessidades no que respeita ao controlo completo das fronteiras de qualquer Estado”.

Por forma a poder utilizar na íntegra  as potencialidades dos novos Passaportes de leitura por máquinas (MRP) e dos Vistos, a BMIL concebeu os mais modernos sistemas para controlos fronteiriços, estudado para que as autoridades dos Serviços de Imigração possam processar eficientemente todas as chegadas e partidas em todos os Aeroportos Internacionais e Postos Fronteiriços. O CAVIS  (Central Advanced Visa & Immigration System) é um sistema de controlo de imigração, totalmente automatizado, com ligação directa à base de dados central. O CAVIS complementa os sistemas SAVIS e SABIS, também concebidos pela BMIL, permite não só utilizar na íntegra todas as potencialidades do novo Passaporte de leitura por máquina, através da leitura de todos os dados biométricos  encriptados (Código de Barras 2D e o “chip” RFID),  contidos no chip embutido no Passaporte, mas ainda através do reconhecimento da face  e da impressão digital do indivíduo, comparando as fotografias e as impressões digitais captadas ao vivo por digitalização, com os dados biométricos armazenados no Passaporte.

O CAVIS tem a capacidade de ler e processar todos os Passaportes de leitura por máquina e de capturar os Vistos. Retém atributos importantes dos viajantes, assim como informações sobre o seu local de origem, destino e nacionalidade, que podem ser utilizados posteriormente pelas Autoridades de Imigração e organismos de segurança, se tal for necessário.

A filosofia do CAVIS é “Deixe a máquina fazer todo o trabalho difícil, para que o funcionário da Imigração se concentre na interacção com o passageiro”. Isto é conseguido através da digitalização da página principal do Passaporte, capturando cores e imagens apenas visíveis sob luz de infravermelhos e ultravioleta, para poder confirmar as características de segurança contidas no Passaporte. O CAVIS tem também a capacidade de ler e extrair electronicamente todos os dados pessoais, incluindo texto e a fotografia do utente do Passaporte, em menos de 4 (quatro) segundos. As imagens capturadas podem ser ampliadas até 20 (vinte) vezes, permitindo, assim, verificações extraordinárias do microtexto e tentativas de fraude. Pode ser facilmente encontrado um histórico dos movimentos do indivíduo, com a vantagem de haver imagens digitalizadas do passaporte e dos dados biométricos pessoais.