RABIS-Remote Advanced Biometric Issuing System

“Os formulários, assim como os documentos de suporte, costumavam levar 2 semanas a chegar das Províncias à Central para nossa informação. Depois da implementação do RABIS, isto leva apenas alguns minutos, seja qual for a Província em que são capturados e de onde são enviados. Que diferença…”- Eng. L Cazanga, MinJus, Angola.

Instalado em todas as estações de captura para o Bilhete de Identidade Nacional em todas as Províncias da República de Angola, o RABIS foi concebido para aumentar a produtividade e eficiência do actual sistema de emissão. Utilizando a rede de satélite privada do Ministério da Justiça, este sistema de digitalização e transferência de documentos  da mais moderna tecnologia, torna a captura e a transferência física dos dados e dos formulários uma coisa do passado.

A digitalização rápida e exacta dos documentos , até 40 páginas por minuto, aumentou o número diário das aplicações processadas. A digitalização pode automaticamente separar, cortar, organizar e indexar todos os formulários e documentos de suporte. Este procedimento é seguido por uma aplicação de leitura automática, o que há de mais moderno no Reconhecimento de Caracteres Manuscritos, que converte  os formulários digitalizados em caracteres de leitura por ASCII e os insere na base de dados. Os documentos digitalizados são comprimidos até 1:200 vezes e transferidos, descomprimidos, processados com extracção de dados e imagem e arquivados na base de dados central. Longe vão os tempos em que o pessoal precisava de ir ao armazém do arquivo, depositar ou localizar documentos em papel. Essas operações estão agora ao alcance do premir de um botão, poupando espaço e tempo e disponibilizando os dados a vários utilizadores.

Independentemente do agente de comunicação, quer seja comunicação sem fios ou LAN, o RABIS ocupa-se do protocolo simultâneamente entre a aplicação nas Províncias e na Central. Se houver uma interrupção nas comunicações, o RABIS regista e corrige automaticamente os dados. A utilização de protocolos comuns e técnicas como FTP e MSMQ, assim como de um servidor baseado numa rede aberta, faz com que o RABIS se adapte a qualquer ambiente de trabalho.

O RABIS introduz, também, pela primeira vez, o conceito de identificação biométrica e verificação através de um  sistema fiável, o AFIS, para o Bilhete de Identidade Nacional na República de Angola. Os formulários em duplicado são automática e correctamente identificados e as aplicações falsas dificilmente conseguirão passar sem serem detectadas.

Se necessitar de um sistema de captura remota, eficiente e exacto, que possa ser integrado no sistema de emissão já existente , utilizando qualquer meio de comunicação, rápido ou lento,  então o RABIS é a solução que procura.